Babaçu (Orbignya speciosa) - Tesouros do Cerrado » Empório do Cerrado - Rede de Comercialização Solidária de Agricultores Familiares e Extrativistas do Cerrado
Fachada

Baru

Tesouros do Cerrado

O Cerrado é a savana mais rica do mundo em biodiversidade, com 12 mil espécies identificadas, dispersas em 37 ambientes, formando um complexo vegetacional de múltiplas paisagens, que ocupa cerca de 36% do território brasileiro, considerando suas áreas de transição.
Conheça as riquezas do Cerrado:

Babaçu (Orbignya speciosa)

É uma palmeira encontrada nos estados do Tocantins, Maranhão, Piauí, Goiás, Minas Gerais, Bahia e Morta Grosso, utilizada há séculos pelas populações tradicionais como fonte de alimento e material para construção de casas e energia. Sua importância equivale a sua economia que gera a sobrevivência de diversas famílias, a citar as quebradeiras de coco, mulheres que pelo ofício construíram sua identidade. Pode ser encontrada isolada ou de forma massiva, caracterizando babaçuais, sendo também abundante em áreas perturbadas. Começa a produzir entre 7º e 8 º ano de vida, alcançando plena produção aos 15 anos, atingindo em média 35 anos de vida.

Do babaçu se aproveita tudo desde a estipe que pode ser usado no esteio de casa, construção de pontes, quando cortado é possível usar a seiva para fazer bebida fermentada e também pode-se aproveitar o palmito que é comestível.

Já as folhas novas são usadas para diversos utensílios como cestos, peneiras, esteiras, chapéus e as folhas maduras servem para cobrir casas e seu pedúnculo fornece um líquido açucarado bebido depois de fermentado pelos índios.

Seus frutos são valiosos, pois se aproveita a amêndoa para extrair óleo utilizado como alimento, cosméticos, industriais (fabricação de sabonetes, margarina, gorduras especiais e óleo de cozinha), como também pode ser infestado por uma larva, que é comida depois de assada. O óleo de babaçu tem aroma de avelã e é usado em pratos regionais, especialmente à base de peixe.

Da casca e o endocarpo lenhoso podem ser usados para fazer xaxim, carvão e fumaça para repelir insetos, assim como para fazer biojóias. Os frutos imaturos são queimados para defumar borracha e o mesocarpo é consumido como manteiga e serve de alimento para animais.

As amêndoas verdes - recém-extraídas, raladas e espremidas com um pouco de água em um pano fino fornecem um leite com propriedades nutritivas semelhantes às do leite humano. Também é muito usado na culinária local, como tempero para carnes de caça e peixes, substituindo o leite de coco-da-baía, e como mistura para empapar o cuscuz de milho, de arroz e de farinha de mandioca.